A maré golpista na américa latina

Curadoria de Umberto Ribeiro

 

Folhapress, foto de Pedro Ladeira

Ainda serão necessárias investigações mais alentadas acerca das influências internacionais, regionais e nacionais na constituição da conjuntura latino-americana inaugurada após a crise econômica de 2008. Mas já se destacam como marcas reconhecíveis desse período sucessivos golpes de Estado caracterizados pela interferência de capitais, empresas e instituições norte-americanas, bem como pelo predomínio da via institucional e do uso de lawfare na tomada do poder por grupos alinhados à agenda neoliberal de desnacionalização econômica e desindustrialização em reforço de nossa condição primário-exportadora na Divisão Internacional do Trabalho.

Enquanto pesquisas mais sólidas de síntese não elucidam esse contexto (que não é só latino-americano e vem dando lugar a processos eleitorais controversos em todo planeta e que podem chancelar experiências populistas-autoritárias – a exemplo dos Estados Unidos, Hungria, Turquia, Filipinas), indiciamos na seleção de artigos desta edição a seguinte hipótese:  as raízes dessa conjuntura de desestabilização de regimes políticos de corte socialdemocrata e popular, em especial no cone Sul, conectam-se ao acirramento da competição internacional entre Estados Unidos e China.

Confiamos à inteligência de quem nos ler a materialização dos vínculos aqui mencionados em cada um dos artigos a seguir, dispostos segundo a sua ordem nos acontecimentos mais recentes de nosso hemisfério. 

© 2020 por Coopernexus. Webdesign Matheus Meira, Bruno Andreoli e Livia Cucatto.